quinta-feira, agosto 29, 2019

MARTÍRIO DE SÃO JOÃO BATISTA











Saber se dar, voltar à honestidade e não maltratar os mais fracos

São João Batista é um dos santos mais retratados na arte cristã. Reconhecê-lo é fácil: o profeta que se alimentava de gafanhotos e mel silvestre usa uma veste de pele de camelo e um cinto e está quase sempre junto a um cordeiro, imagem que evoca Jesus, o Cordeiro de Deus.
João, cujo nome significa “Deus é misericórdia”, é o último profeta do Antigo Testamento. A Igreja o homenageia tanto no dia do seu martírio (29 de agosto) quanto no do nascimento (24 de junho), data-marco dos seis meses que antecedem o nascimento de Jesus, segundo as palavras do Arcanjo Gabriel a Maria. São João Batista, junto com Jesus e Nossa Senhora, é o único santo a quem a Igreja celebra no dia do nascimento neste mundo, já que a tradição é celebrar os santos no dia do seu nascimento para a vida eterna. Saiba mais sobre esses 3 aniversários especiais.

João teria nascido em Ain Karim, cerca de sete quilômetros a oeste de Jerusalém, numa família sacerdotal: seu pai, Zacarias, era da classe de Abias, e sua mãe, Isabel, descendia de Aarão. “Chamar-se-á João”, afirmou seu pai.

No décimo quinto ano de Tibério (28-29 d.C.), iniciou a sua missão no rio Jordão: pregar e batizar. Daqui vem o nome “Batista”.

Quando batiza Jesus, João revela a identidade de Deus:

“Eis o Cordeiro de Deus, eis aquele que tira o pecado do mundo!”

Anuncia que Deus vem ao mundo como um frágil e bom cordeiro e que o Seu sacrifício salvará o homem da morte.

“Assim, pois, esta minha alegria se cumpre. É necessário que Ele cresça e eu diminua” (Jo 3,29-30).

Morre decapitado por capricho de Salomé, a filha de Herodíades, amante do rei de Israel.

A vítima, porém, não encontra paz neste mundo nem sequer após a morte. Nos tempos do imperador Juliano, o Apóstata, em 361-362, seu sepulcro é profanado e queimado. Suas cinzas, segundo a tradição, estão na catedral de São Lorenço, em Gênova, para onde os cruzados as teriam levado em 1098.

O que São João Batista pode dizer hoje aos fiéis e aos que não creem?


1 – Ele ensina um verbo: dar.

É o verbo que esculpe um futuro novo. A nova lei de um mercado diferente e humano: em vez do acúmulo, a doação; em vez do desperdício, a sobriedade; em vez do sucesso a todo custo, dar espaço a Outro.

De si, ele oferece tudo: tempo, presença, dinheiro, afeto, correção, transparência. O Batista diz: “Quem tiver duas túnica reparta com quem não tem, e quem tiver alimentos faça o mesmo” (Lc 3,11). Um critério de justiça animado pela caridade.


Bento XVI afirmou:

“A justiça pede superar o desequilíbrio entre aqueles que têm o supérfluo e aqueles a quem falta o necessário. A caridade nos impele a estar atentos uns aos outros e a ir ao encontro das suas necessidades, em vez de procurar justificativas para defender os próprios interesses. Justiça e caridade não são opostas: ambas são necessárias e se completam. O amor será sempre necessário, mesmo na sociedade mais justa”, porque “sempre existirão situações de necessidade material nas quais é indispensável uma ajuda na linha do amor concreto para com o próximo” (encíclica Deus Caritas Est, 28).


2 – Ele nos ensina o retorno à honestidade

A volta à legalidade, começando por mim mesmo e pelos meus comportamentos mais simples: ser honesto mesmo nas pequenas coisas.


3 – O terceiro ensinamento é para aqueles que governam

Não maltratar e não extorquir nada de ninguém. Não se aproveitar do cargo para humilhar.

É sempre o mesmo princípio: primeiro as pessoas, depois a lei. Antes a misericórdia que a punição. E quando for preciso punir, fazê-lo com humanidade.

quarta-feira, agosto 28, 2019

SANTO AGOSTINHO





Principal filósofo do período da filosofia conhecido como Patrística, Agostinho de Hipona ou Santo Agostinho foi um filósofo da idade média cujo trabalho ajudou a fundar as bases da filosofia adotada pela Igreja Católica, bem como levantar questões que influenciaram a toda a história posterior da filosofia.

Até Agostinho os filósofos cristãos defendiam que o fundamento e a essência da vida deveriam ser a fé, particularmente, a fé cristã. A partir da fé os homens tomariam decisões importantes em suas vidas e realizariam os julgamentos morais, para a razão era legada a atuação na vida cotidiana, em decisões menores e rotineiras. Agostinho, por outro lado, conhecedor da filosofia por traz de diversas religiões e muito bem versado em filosofia geral, buscava na razão a justificativa para a fé.

Entre os muitos tópicos nos quais trabalhou, explorou a questão da liberdade humana, na forma do livre arbítrio, defendendo que a Graça Divina seria o elemento garantidor da liberdade. Formulou ainda a doutrina do pecado original e a teoria da guerra justa.

Segundo Agostinho, os cristãos deveriam ser filosoficamente e pessoalmente pacifistas. Isto significa dizer que os cristãos deveriam defender a paz, optando por ela por princípio, sempre que possível, mas permite que, quando não for possível estabelecer a paz, faça-se a guerra. Entendeu que uma postura pacifica perante um mal que apenas poderia ser parado pela violência é um pecado, uma vez que permite a perpetuação deste mal.

Agostinho deixou um legado gigantesco, com importantes frases que, independentemente da sua religião, te farão refletir sobre o modo como você encara a vida.

Selecionamos algumas mensagens de Santo Agostinho que são verdadeiros ensinamentos, seja você cristão ou pagão.


Qual o limite do amor?

“A medida do amor é amar sem medida” – Santo Agostinho

O amor é uma daquelas coisas que não conhece o excesso. Quando o sentimento é verdadeiro e sadio, não existem motivos para medi-lo ou limitá-lo. Ame sem limites!


Não faça por fazer…

“Não basta fazer as coisas boas, é preciso fazê-las bem.” – Santo Agostinho

Para que algo dê certo – seja uma tarefa, plano ou objetivo – precisamos de determinação e comprometimento com aquilo que desejamos cumprir. A vontade é importante, mas não vale de nada sem o esforço, o empenho e o compromisso.

Por isso, coloque o seu coração em tudo o que for fazer. Não se contente em finalizar metas, mas em aprender durante o percurso e dar o melhor de si em cada novo desafio!


Aprenda a esperar para aprender

“Não há lugar para a sabedoria onde não há paciência” – Santo Agostinho

Ter paciência é uma das lições que mais custa aprender para a maioria das pessoas. Vivemos numa geração acostumada com o imediatismo das coisas. Mas, nem tudo na vida acontece no momento que você quer… Devemos aprender a esperar. Este é um dos passos mais importantes rumo à sabedoria.


Avance para as próximas páginas!

“O mundo é um livro e quem fica sentado em casa lê somente uma página.” – Santo Agostinho

O mundo é muito mais do que os seus olhos podem ver! Permita-se explorar e conhecer sentimentos, lugares e costumes que estão fora da sua “zona de conforto”.

Não viva preso no seu “cubo de vidro”, onde tudo é familiar e fácil. Vá, saia, experimente, caia e levante-se algumas vezes! Somente assim conseguirá conhecer o mundo e saber como é realmente viver nele…


A verdade (quase sempre) dói

“As pessoas costumam amar a verdade quando esta as ilumina, porém tendem a odiá-la quando as confronta.” – Santo Agostinho

A verdade nem sempre será aquilo que desejamos ouvir. Precisamos estar conscientes de que não somos perfeitos… Todos erram, mas é na tentativa de melhorar e mudar que crescemos e nos fortalecemos.


Em constante renovação

“Nada estará perdido enquanto estivermos em busca.” – Santo Agostinho

“Mesmo que já tenha feito uma longa caminhada, sempre haverá mais um caminho a percorrer.” – Santo Agostinho

Não dê nada como garantido. Por mais longa que tenha sido a busca ou a caminhada, nunca desista de continuar seguindo. Sempre há algo de novo espreitando nas esquinas da vida. Fique atento!


O que deve ser realmente importante para você

“Não andes averiguando quanto tens, mas o que tu és.
A verdadeira felicidade não consiste em ter muito, mas em contentar-se com pouco.” – Santo Agostinho

“Ama e faz o que quiseres. Se calares, calarás com amor; se gritares, gritarás com amor; se corrigires, corrigirás com amor; se perdoares, perdoarás com amor. Se tiveres o amor enraizado em ti, nenhuma coisa senão o amor serão os teus frutos.” – Santo Agostinho

As coisas nem sempre podem sair como planejamos, mas quando são feitas com os “ingredientes” certos, pode ter a certeza que tudo valerá a pena.


Três regras básicas

“Conhece-te, aceita-te, supera-te.” – Santo Agostinho

São três etapas muito importantes que constantemente precisamos ultrapassar.

Ligações que são essenciais

“necessitamos um do outro para sermos nós mesmos.” – Santo Agostinho

Fortalecendo o que realmente vale a pena

“Preocupas-te se a árvore de tua vida tem galhos apodrecidos? Não percas tempo; cuida bem da raiz e não terás de andar pelos galhos.” – Santo Agostinho

Agostinho se refere à importância de priorizarmos e valorizarmos a nossa essência, o nosso núcleo, a nossa base. Se você tiver bons princípios, por mais que alguns ramos da sua vida se quebrem, você nunca definhará. O fator principal para a reconstrução está na sua essência!


Eliminando o mal pela fonte…

“O orgulho é a fonte de todas as fraquezas, porque é a fonte de todos os vícios”. – Santo Agostinho


As filhas da Esperança

“A esperança tem duas filhas lindas, a indignação e a coragem; a indignação nos ensina a não aceitar as coisas como estão; a coragem, a mudá-las.” – Santo Agostinho


Uma é espelho da outra

“Onde não há caridade não pode haver justiça.” – Santo Agostinho

Compartilhe com o mundo aquilo que você gostaria que fosse partilhado contigo. Por mais “feia” e “grosseira” que a humanidade possa parecer, às vezes, tudo o que precisamos para mudar as energias ao nosso redor é encher o mundo com o máximo de coisas boas.

segunda-feira, agosto 26, 2019

XXI DOMINGO DO TEMPO COMUM






1 – Símbolo da porta estreita

Depois de ouvir a Palavra, especialmente o Evangelho, precisamos concordar que a imagem que temos de Deus nem sempre coincide com a imagem proposta por Jesus, na sua parábola da porta estreita. Deus é apresentado como patrão que tem a chave da porta, e ainda mais de uma porta estreita, e ameaça fechá-la e deixar-nos do lado de fora. Esta não é uma imagem simpática de Deus. Preferimos a imagem do Deus misericordioso, que acolhe os pecadores porque, temos a impressão que, mesmo errando, mesmo pecando, Deus é visto como mais "tolerante". É uma Palavra que pode ser considerada como ameaçadora, mas, de outro lado, também pode ser considerada como um sinal de alerta, como uma correção, no dizer da 2ª leitura, para incentivar-nos a viver e cultivar a vigilância, porque não basta dizer que “comemos e bebemos com Deus”, que rezamos algumas preces decoradas, que fomos batizados... é preciso algo mais para passar pela porta estreita.



2 – Ameaça ou convite à vigilância 

Por isso, eu convido a não considerar o sinal da "porta estreita" como ameaça, mas sim como um sinal de encorajamento para ser educado por Deus, no dizer do autor da Carta aos Hebreus: "meu filho, não desprezes a educação do Senhor" e, algumas linhas mais adiante: "acertai os passos dos vossos pés para que não se extravie”. O sinal da “porta estreita” indica, portanto, que a Salvação é uma meta que exige a coerência de vida. Não basta ter ouvido o Evangelho, como diz Jesus na parábola; isto pode ser uma ilusão. A ilusão de que o conhecimento em forma de informação religiosa é o suficiente para passar pela "porta estreita". Cristãos informados que Deus é bom, que Jesus veio ao mundo, que fez milagres, que mantém algumas práticas de rituais... É a ilusão de permanecer na informação e não acolher e, por isso, não viver segundo o Evangelho.



¨ É preciso ter consciência de que o acesso ao "Reino" não é, nunca, uma conquista definitiva, mas algo que Deus nos oferece cada dia e que, cada dia, nós aceitamos ou rejeitamos. Ninguém tem automaticamente garantido, por decreto, o acesso ao "Reino", de forma que possa, a partir de uma certa altura, ter comportamentos pouco consentâneos com os valores do "Reino". O acesso à salvação é algo a que se responde - positiva ou negativamente - todos os dias e que nunca é um dado totalmente seguro e adquirido. 



3 – Vocação do catequista

Neste último Domingo de agosto, mês vocacional, comemoramos o “Dia do Catequista”. Considero que seja uma data importante dentro da comunidade, porque a catequese é uma das principais fontes de evangelização da Igreja. Torna-se ainda mais importante, nos dias de hoje, porque muitas famílias não plantam ou não tem sementes para plantar o Evangelho em suas casas. Por isso, são os catequistas que, não poucas vezes, semeiam as primeiras sementes da fé nos corações de crianças, adolescentes, jovens e adultos. São eles que mostram o caminho do Evangelho para passar pela “porta estreita”, como ouvimos no Evangelho. Disto, faço dois convites. Um para que os pais sejam os primeiros catequistas, semeadores das primeiras sementes da fé e do Evangelho. Segundo, para que aqueles que se sintam vocacionados à catequese, tornem-se servidores da comunidade pela evangelização na catequese e com a catequese. Parabéns e muito obrigado aos catequistas de nossa comunidade. Amém! 







sábado, agosto 24, 2019

SÃO BARTOLOMEU, UM DOS DOZE APÓSTOLOS





REDAÇÃO CENTRAL, 24 Ago. 16 / 05:00 am (ACI).- A Igreja celebra neste 24 de agosto São Bartolomeu, um dos doze apóstolos, cuja figura – afirmou Bento XVI – “mesmo sendo escassas as informações acerca dele, permanece contudo diante de nós para nos dizer que a adesão a Jesus pode ser vivida e testemunhada também sem cumprir obras sensacionais”.

Bartolomeu também é identificado na Bíblia como Natanael, devido à relação com Filipe. Nascido em Caná, na Galileia, é tido como um modelo para quem se deixa conduzir pelo outro ao Senhor.

O evangelho de São João narra que, após encontrar Jesus, Filipe vai até Natanael e lhe diz “Achamos aquele de quem Moisés escreveu na lei e que os profetas anunciaram: é Jesus de Nazaré, filho de José” (Jo 1,45).

Diante disso, Natanael lançou a pergunta: “Pode, porventura, vir coisa boa de Nazaré?”, ao que Filipe não rebate, mas apenas faz o convite “Vem e vê” (Jo 1,46).

Ainda segundo o evangelista, ao ver Natanael se aproximar, o próprio Jesus exclama: “Eis um verdadeiro israelita, no qual não há falsidade” (Jo 1,47). E, ao ser questionado por Natanael de onde o conhecia, Jesus afirma que antes que fosse chamado por Filipe, já o via quando “estavas debaixo da figueira”.

A resposta de Cristo leva Natanael a proclamar esta confissão de fé: “Mestre, tu és o Filho de Deus, tu és o rei de Israel” (Jo 1,49). Conforme explicou Bento XVI em sua catequese de outubro de 2006, nesta exclamação “é dado um primeiro e importante passo no percurso de adesão a Jesus”.

Como um dos doze, Bartolomeu pôde acompanhar a missão de Jesus na terra, compartilhando seu dia a dia, seus milagres, ouvindo seus ensinamentos, testemunhando a sua ressurreição. Posteriormente, recebeu, junto aos demais apóstolos o Espírito Santo em Pentecostes.

“Da sucessiva atividade apostólica de Bartolomeu-Natanael não temos notícias claras”, indicou agora Papa emérito. Porém, recordou que “segundo uma informação referida pelo historiador Eusébio do século IV, um certo Panteno teria encontrado até na Índia os sinais de uma presença de Bartolomeu”.

De acordo com a tradição, o apóstolo teria evangelizado na Índia, passando pela Armênia, local onde conseguiu a conversão do rei Polímio, de sua esposa e várias pessoas. Este fato gerou a inveja de sacerdotes pagãos que, insuflaram o irmão de rei, Astiages, e conseguiram autorização para matar Bartolomeu esfolado.
Como Bartolomeu não morreu com o esfolamento, foi decapitado, em 24 de agosto do ano 51.


Fonte: acidigital.com





sexta-feira, agosto 23, 2019

NOSSA SENHORA RAINHA





Considera com que justa disposição refulgiu, já antes da assunção, o admirável nome de Maria por toda a terra. Sua fama extraordinária por toda a parte se espalhou antes que sua magnificência fosse elevada acima dos céus. Pois convinha que a Virgem Mãe, em honra de seu Filho, primeiro reinasse na terra, em seguida, fosse recebida gloriosa nos céus. Fosse amplamente conhecida na terra, antes de entrar na santa plenitude. Levada de virtude em virtude, fosse assim exaltada de claridade em claridade pelo Espírito do Senhor. Presente na carne, Maria antegozava as primícias do reino futuro, ora subindo até Deus com inefável sublimidade, ora descendo até os irmãos com inenarrável caridade. Lá recebia os obséquios dos anjos, aqui era venerada pela submissão dos homens. Servia-lhe Gabriel com os anjos; ao lado dos apóstolos servia-lhe João, feliz por lhe ter sido confiada a Virgem Mãe a ele, virgem. Alegravam-se aqueles por vê-la rainha; estes por sabê-la senhora. Todos a obedeciam de coração. E ela, assentada no mais alto cume das virtudes, repleta do oceano dos carismas divinos, do abismo das graças, ultrapassando a todos, derramava largas torrentes ao povo fiel e sedento.
Concedia a saúde aos corpos e às almas, podendo ressuscitar da morte da carne e da alma. Quem jamais partiu de junto dela doente ou triste ou ignorante dos mistérios celestes? Quem não voltou para casa contente e jubiloso, tendo impetrado de Maria, a Mãe do Senhor, o que queria? Ela é esposa repleta de tão grandes bens, mãe do único esposo, suave e preciosa nas delícias. Ela é como fonte dos jardins inteligíveis, poço de águas vivas e vivificantes, que correm impetuosas do Líbano divino, fazendo descer do monte Sião até às nações estrangeiras vizinhas rios de paz e mananciais de graças vindas do céu. E assim, ao ser elevada a Virgem das Virgens por Deus e seu Filho, o rei dos reis, no meio da exultação dos anjos, da alegria dos arcanjos e das aclamações de todo o céu, cumpriu-se a profecia do Salmista que diz ao Senhor: Está à tua destra a rainha recoberta de bordados a ouro, em vestes variadas (Sl 44,10).

quinta-feira, agosto 22, 2019

VOCAÇÕES







O mês de agosto é tradicionalmente o mês vocacional, dedicado à oração, reflexão e ação sobre este tema importantíssimo. E como as vocações mais sublimes vêm das famílias, rezemos pela santificação delas, para serem sementeiras de excelentes vocações. 

Vocação vem do latim “vocare”, chamar. É um chamado de Deus para uma vida a ele consagrada. A vocação sacerdotal é um chamado de Deus para a vida no sacerdócio, cujo carisma especial é a dedicação ao ministério do culto divino e da salvação das almas. Jesus mesmo nos mandou rezar pelas vocações: “Ao ver as multidões, Jesus encheu-se de compaixão por elas, porque estavam cansadas e abatidas, como ovelhas que não têm pastor. Então disse aos discípulos: ‘A messe é grande, mas os trabalhadores são poucos. Pedi, pois ao Senhor da messe que envie trabalhadores para sua colheita!” (Mt 9, 36-37).

Na Missa com os Bispos, Sacerdotes, religiosos e seminaristas na Catedral do Rio, durante a JMJ, o Papa Francisco nos falou sobre a necessidade de ter sempre presente a nossa vocação: “Creio que é importante reavivar sempre em nós este fato, para o qual amiúde fazemos vistas grossas entre tantos compromissos cotidianos: ‘Não fostes vós que me escolhestes; fui eu que vos escolhi’, diz Jesus (Jo 15,16). É um caminhar de novo até a fonte de nosso chamado. Por isso um bispo, um sacerdote, um consagrado, uma consagrada, um seminarista, não pode ser um desmemoriado. Perde a referência essencial do início de seu caminho. Pedir a graça, pedir à Virgem Maria - ela tinha boa memória - a graça de termos na memória esse primeiro chamado. Fomos chamados por Deus e chamados para permanecer com Jesus (cf. Mc 3, 14), unidos a ele... É precisamente a ‘vida em Cristo’ que garante nossa eficácia apostólica e a fecundidade de nosso serviço... Não é a criatividade, por mais pastoral que seja, não são os encontros ou os planejamentos que garantem os frutos, embora ajudem e muito, mas o que garante o fruto é sermos fiéis a Jesus, que nos diz com insistência: ‘Permanecei em mim, como eu permaneço em vós’ (Jo 15,4)”.

Há muitas vocações especiais na Igreja. Na vida religiosa, temos o chamado à profissão dos conselhos evangélicos, na qual se segue mais de perto a Cristo, numa vida totalmente consagrada a Deus, à construção da Igreja e à salvação do mundo, a fim de se alcançar a perfeição da caridade, preanunciando assim a glória celeste.

O Concílio Vaticano II sublinhou uma verdade da Tradição da Igreja: a vocação universal à santidade: “O Senhor Jesus, mestre e modelo divino de toda a perfeição, pregou a todos e a cada um dos seus discípulos, de qualquer condição que fossem, a santidade de vida, de que ele próprio é autor e consumador... Todos os fiéis, seja qual for o seu estado ou classe, são chamados à plenitude da vida cristã e à perfeição da caridade..., são convidados e obrigados a tender para a santidade e perfeição do próprio estado... ‘Os que se servem deste mundo, não se detenham nele, pois passa a figura deste mundo’ (1 Cor 7,31)” (Lumen Gentium, cap. V).


Fonte: Dom Fernando Arêas Rifan

quarta-feira, agosto 21, 2019

DIA DOS CATEQUISTAS






O último domingo de agosto é o dia do catequista. É com admiração, reconhecimento e gratidão que a Igreja celebra esta festividade. A catequese é o sucesso de Jesus, o bem supremo da Igreja, a humanização e evangelização das pessoas, real colaboração na renovação da sociedade. A catequese é o útero da mãe Igreja, onde o Espírito Santo gera novos cristãos, como gerou Jesus no seio de Maria. Sendo a igreja Corpo de Cristo, a catequese é seu sangue e vitalidade. Sem o ensino da fé, a igreja fenece. “A catequese é a  alma da Igreja”.

Enquanto processo de educação da fé, a catequese começa no ventre materno até à eternidade. A missão do catequista é transmitir a experiência de fé para que seus ouvintes experimentem o fascínio do evangelho, descubram a beleza da comunidade e se dediquem na transformação da sociedade. É claro que os pais são os primeiros catequistas e a comunidade com sua vitalidade litúrgica, pastoral, profética, missionária é uma especial catequizadora, como também os grupos de reflexão.

Hoje, a igreja se volta com especial carinho para a “catequese com adultos”, focalizando a realidade urbana e a construção do novo mundo. É o que se entende por “Catequese Renovada”. Não pode ser uma “catequese de verniz” mas deve ir à raiz. Catequese adulta, numa Igreja adulta, para  uma sociedade novo.

Você catequista, é eleito e eleita de Deus, que fala em nome da Igreja e ensina a sã doutrina. Nobre é sua tarefa, árduo o seu trabalho, incomensurável o bem que realiza. Você está no coração da Igreja, porque veio do coração de Deus, para chegar ao coração do mundo. Você é anjo que anuncia, é apostolo que ensina, é mártir que dá testemunho. Como não exultar de alegria no seu dia? O que fala mais alto é o seu testemunho de vida. Oxalá você possa brilhar pela sua competência, seu humanismo, sua fé, sua santidade. Você é com um artista que vai esculpindo Jesus Cristo o seu reino nas pessoas, nas comunidades, na sociedade.

Posso imaginar com que zelo você prepara sua catequese e com que esmero você diariamente deixa-se catequizar pela Palavra de Deus e pela oração. “Implosão em Deus para a explosão no irmão”. Posso também equilatar o quanto você precisa do apoio dos bispos, padres, pais, lideranças, padrinhos, etc. A Igreja comovida e agradecida, louva a Deus que confiou em você e lhe conferiu tão alta missão. Você constrói a nova sociedade que chamamos de comunhão e participação, ou “sistema da solidariedade”. Com você nossas crianças antes da primeira comunhão, aprendem a comunhão com a família, a comunhão com a natureza, com as outras crianças, com os pobres e a comunhão consigo mesmas. Você, catequista, revela aos jovens o fascínio do evangelho, a pessoa de Jesus, a estrada do céu. Eles deixam a fascinação do pecado pelo encantamento do tesouro escondido que é o reino de Deus. E você, educa os adultos, ajudando-os a encontrar o sentido da vida e a resposta para suas indagações. Que vocação sublime a de ser educador da fé e ajudar as mulheres e homens a serem amigos de si mesmos, irmãos dos outros, filhos de Deus e construtores do reino de Deus.

Pela sua importância, a catequese é um verdadeiro ministério. Somos todos convidados a olhar para o “catequista Jesus de Nazaré” e com Ele aprender a ser discípulos da Palavra de Deus. O Catequista, seguidor de Jesus, terá todos os dias a Bíblia na mão para fazer a leitura orante. Precisamos catequizar nossos próprios corações, ou seja, primeiro falar “com Deus”, para depois falar “de Deus”. Igualmente o Apostolo Paulo, é um catequista de um perfil inigualável. Todo o Ano Paulino está destinado a ser um “Ano Catequético”.


Fonte: Dom Orlando Brandes

terça-feira, agosto 20, 2019

10 MANDAMENTOS PARA SER UM CATEQUISTA SEGUNDO O CORAÇÃO DE DEUS!





Nós sabemos a importância dos mandamentos das leis que Deus nos instruiu para o catequista. Desde o Sinai o povo escolhido é chamado a observar essas leis para se aproximar mais de Deus. Somos chamados a viver em melhor estado com nossos irmãos e irmãs na comunidade. Portanto, precisamos de “regras”.

São 10 os mandamentos que aprendemos e ensinamos e todos são encontrados nas Sagradas Escrituras (Êxodo 20,3-17). Eles são a base e nos ajudam a conduzir nossas condutas na fé. Porém, para nós catequistas, discípulos e missionários do Senhor, alguns ensinamentos são de extrema importância e precisamos observá-los com mais atenção. Mas tem também outros “mandamentos” que nos farão catequistas melhores e mais preparados, verdadeiros seguidores do Cristo para melhorar nossa catequese também pelo exemplo. Acima de tudo, são eles que educam e nos ensinam a sermos Sal da Terra e Luz do Mundo, catequistas segundo o coração de Deus.

Por que, então, não termos 10 “mandamentos” para nós catequistas?  Pensando nisso, poderíamos observar alguns pontos que são de extrema importância em nossa missão e fazer deles nossos mandamentos:

1º. ASSUMA SEU COMPROMISSO COM DEUS, VERDADEIRAMENTE!
Em primeiro lugar, a missão de ser catequista não é um convite de alguém, é um chamado de Deus. Assuma com maior carinho e compromisso.

2º. SORRIA SEMPRE, DE CORAÇÃO!
Mesmo nos piores dias não devemos esquecer que esta Missão deve ser realizada com a alegria de quem acredita que “onde estiverem dois ou três reunidos em Meu nome, Eu estou no meio deles” (Mt 18, 20). Catequista apresenta Jesus e Jesu é alegria plena. Gentileza gera gentileza!

3º. SEJA CORAJOSO(A) E FORTE, ENFRENTE SUAS DIFICULDADES JÁ!
Assuma uma “teimosia” saudável típica de quem não desiste ao primeiro problema, pois estar com crianças e jovens exige muita paciência e vontade. E também persistência. Portanto, se você não fizer nada, nada mudará!

4º. SEJA AMIGO(A), SEM FALSIDADES!
Procure nos outros o apoio que precisa e ofereça uma ajuda especial aos seus irmãos catequistas. Você não é melhor que ninguém e juntos fazemos mais e melhor!

5º. ESTEJA SEMPRE EM FORMAÇÃO!
Não se esqueça que a Igreja Católica deve ser a sua orientação para se sentir preparado nas dúvidas e nos desafios que se colocam no caminho de um catequista. Em outras palavras, estude aquilo que a Igreja ensina como nos seus documentos e diretórios. A CNBB é a principal referencia com seus documentos e as editoras católicas com suas publicações, como a Loyola com o Catecismo da Igreja Católica. Entretanto, também é importante você se capacitar participando de eventos que prepara o catequista para desenvolver melhor sua Missão. Deus nos chama, o Espírito Santo nos inspira, mas somos nós que nos preparamos melhor. Faça a sua parte e participe de eventos como o Catequistas Brasil.

6º. SEJA IMAGEM DE JESUS!
Não se esqueça: A vida existe além da catequese e muitos se espelham em você e seguem os seus conselhos e opiniões. Seja sempre catequista!

7º.  AJUDE COM HUMILDADE!
Ser catequista é fazer parte de um grupo e de uma comunidade. Sendo assim, seja disponível para participar nas reuniões e para ajudar quando te pedem.

8º. ALIMENTE A TUA FÉ!
Para viver na Fé precisamos nos alimentar. A oração, a Eucaristia e a confissão nos ajudam a alimentar nossa Fé e Crer no que fazemos. Em resumo, reze, comungue e confesse regularmente!

9º. TENHA FÉ E ACREDITE EM DEUS!     
Quando tiver dúvida sobre a sua Missão acredite que Deus te guiará. No entanto, Reze e  aguarde serenamente que Ele te orientará. Acredite nisso!

10º. EVANGELIZE!
Não se esqueça que és instrumento nas mãos de Deus. Ele conta contigo para esta Missão audaz de levar a Sua Palavra a estas novas gerações. Contudo, seja melhor a cada dia, dentro e fora da catequese.

Seguir essas 10 dicas é uma maneira de se tornar um verdadeiro catequista e ser aquele(a) que faz por amor, se dedica e se entrega inteiramente ao serviço do Reino. Todo(a) catequista deve ter a meta de levar todos os catequizandos a receber o abraço carinhoso de Deus e, através dele, ser sinal do Amor entre os irmãos. Sigamos no caminho do Senhor com os olhos fixos em Cristo e agindo como Ele age, amando como Ele ama e servindo os irmãos por vocação e chamado, não esperando nada em conta e se preparando sempre.



Fonte: https://catequistasbrasil.com.br

segunda-feira, agosto 19, 2019

SOLENIDADE DA ASSUNÇÃO DE MARIA SANTÍSSIMA






1 – Assunção no Domingo e Vocação religiosa

A Solenidade da Assunção de Nossa Senhora, no calendário litúrgico, está agendada para o dia 15 de agosto. No Brasil, por questões pastorais, considerou-se por bem transferi-la para o primeiro Domingo depois do dia 15 de agosto. No contexto do Mês Vocacional, este Domingo é dedicado a orações pelas Vocações Religiosas; vocação de pessoas que consagram suas vidas pelo discipulado, na vivência de um carisma específico. Maria Santíssima, a Mãe de Jesus, é modelo de discípula consagrada por colocar sua vida totalmente à disposição do projeto divino na simplicidade e na disponibilidade do serviço. O ícone desta disponibilidade a Deus e aos irmãos está descrito na primeira parte do Evangelho que acabamos de ouvir: depois de se disponibilizar ao serviço de Deus, acolhendo a proposta de ser Mãe de Jesus, se disponibiliza ao serviço fraterno, indo ajudar sua prima Isabel. A vocação dos consagrados é uma vocação de serviço a Deus e aos irmãos. 


2 – Deus se coloca ao lado dos fragilizados

O exemplo divino, na 1ª leitura, indica o modo divino de colocar-se a serviço pela defesa da vida dos fragilizados. Deus se coloca a serviço da vida humana e luta contra o dragão que procura devorar a vida da mulher que está para gerar uma nova vida. Deus intervém e salva a vida da mulher, símbolo da fragilidade humana e mais fragilizada ainda por estar grávida. A mulher do Apocalipse representa a Igreja — ilustrado no salmo responsorial — que se depara com a realidade de que as armas do bem são frágeis e assim devem permanecer. Aceitando a fragilidade, esta se tornará vencedora e permanecerá fiel ao projeto divino. A Igreja, diz a 1ª leitura, não poderá jamais pensar em adotar armas poderosas para derrotar o mal, porque a única arma que pode destruir o mal é a presença divina entre nós e isto significa comprometer-se com o mesmo estilo divino de colocar-se ao lado dos pequenos e dos fragilizados. 


3 – O Magnificat canta a opção divina pela vida fragilizada

A Solenidade da Assunção, portanto, celebra a elevação de Maria aos céus considerando o projeto divino em favor da vida humana, em particular, aquela vida mais fragilizada. Deus tanto valoriza a vida humana que a conduz para junto de si, no corpo da Virgem Maria. O canto do Magnificat, no Evangelho, ilumina-se na mesma dinâmica da luta contra o poder do mal. O canto de Maria demonstra que Deus faz opção pelos pobres e debilitados. Diante da vida humana, Deus não fica neutro, mas toma partido em favor da vida fragilizada. Deus é aquele que dispersa os soberbos de coração e derruba os poderosos de seus tronos; quer dizer, insere-se na história e nela atua pela sua misericórdia. A Solenidade da Assunção, portanto, celebra Maria que, mesmo humilde e pobre, coloca-se a serviço do projeto divino, sem temer as forças de tantos dragões que ameaçam e investem contra a vida humana. Amém!   










 





quarta-feira, agosto 14, 2019

ASSUNÇÃO DE MARIA






O que aconteceu com a mãe de Jesus no fim de sua vida: ela teve uma morte corporal como a nossa?

Desde remota época, os autores cristãos julgaram que Maria Santíssima teve um fim de vida singular; em seus sermões e em escritos apócrifos professaram a glorificação corporal de Maria, logo após a sua morte na Terra.

Eis uma das versões mais expressivas: quando se aproximava o fim da vida terrestre de Maria, houve uma grande agitação na Igreja. Maria soube de antemão que estava para deixar este mundo. Os apóstolos também foram previamente avisados, de modo que se reuniram em Jerusalém. Quando lá chegaram, Maria já tinha morrido; abriram o seu sepulcro, que encontraram vazio. Cristo viera buscar a alma de sua Mãe Santíssima, que a arte bizantina representa sob a forma de uma criança enfaixada. A seguir, o corpo da Santa Mãe de Deus, gloriosamente ressuscitado, também foi assumido e levado a reunir-se à respectiva alma no céu.


Glorificação em corpo e alma

Esses escritos foram fortalecendo a convicção dos cristãos de que Maria fora glorificada, em corpo e alma, logo depois da sua morte. A partir do século XI é comum professar a Assunção gloriosa de Maria. Os teólogos procuraram as bases bíblicas para fundamentar tal crença; eis o que apontam:

a_mulher_apocalipse1. Maria é dita pelo Anjo Gabriel “cheia de graça”. Esse é quase o nome próprio da Virgem – o Anjo não a chama “Maria” (cf. Lc 1,28). Isso quer dizer que Maria nunca esteve sujeito ao império do pecado. Em consequência, não podia ficar sob o domínio da morte, que entrou no mundo através do pecado (cf. Rm 5,12). Sendo assim, é lógico dizer que ela não conheceu a deterioração da sepultura, sendo glorificada não somente em sua alma, mas também em seu corpo. Como se vê, nem a tradição nem os teólogos recusam a hipótese de Maria ter morrido; ao contrário, admitem-na. Se Cristo, o Santo de Deus, quis morrer, Maria também terá morrido.

2. A carne da mãe e a carne do filho são uma só carne. Ora, Maria é a Mãe de Jesus, que foi glorificado em corpo e alma após ter morrido. Consequentemente, deve ter tocado a Maria a mesma sorte gloriosa que tocou a seu Divino Filho.

Através dos séculos, a crença na Assunção corporal de Maria tornou-se tão comum e cara aos cristãos que muitas pessoas trazem o nome de Maria da Glória; muitas igrejas e instituições são dedicas à Assunção de Maria.

Na primeira metade do século XX, os fiéis católicos, tendo à frente seus bispos, pediram à Santa Sé a definição do dogma da Assunção de Maria. O Papa Pio XII mandou estudar o assunto e resolveu proclamar o dogma em 1º de novembro de 1950.

A justificativa para essa definição, de uma verdade de fé que não era contestada, foi a seguinte: numa época em que se vilipendia o corpo humano mediante genocídios, campos de concentração, degradação moral, afirmar a Assunção corporal de Maria é lembrar ao mundo a dignidade do corpo humano, chamado a ser templo de Espírito Santo e a ressuscitar um dia, participando da glória do céu.

É de notar que Pio XII limitou-se a definir que “a imaculada sempre Virgem Maria, Mãe de Deus, encerrado o curso de sua vida terrestre, foi assumida em corpo e alma à glória celeste” (Constituição Munificentissimus). Pio XII não se referiu à morte de Maria, mas usou uma expressão bem ponderada: “Encerrado o curso de vida terrestre, foi assumida (…)”. Assim, o Papa não quis dirimir a questão: Maria Santíssima passou pela morte corporal ou não?


Morte e sepulcro em Jerusalém

Verdade é que a tradição mais antiga afirma que Maria morreu e aponta o seu sepulcro em Jerusalém, assim como o lugar em que terá morrido. Todavia autores recentes julgam que a Virgem Santíssima foi isenta da morte, de modo que teria passado diretamente da vida terrestre para a glória. Esta sentença é aceitável, mas não é a mais provável; é de crer que Maria tenha imitado seu Divino Filho também ao experimentar a morte.

Há quem pergunte: onde estão os corpos gloriosos de Jesus e Maria, se ambos já foram ressuscitados e glorificados? Em resposta, devemos dizer que não é necessário admitir um lugar ou um espaço no qual estejam contidos esses dois corpos; a filosofia ensina que um corpo é verdadeiro corpo, com suas dimensões definidas, mesmo que não esteja compreendido entre paredes ou num lugar dimensional.

Maria é, de modo especial, o modelo da Igreja. O que esta só conseguirá plenamente após a segunda vinda de Cristo, Maria o obteve logo na primeira vinda do Senhor. Por isso, o Concílio Vaticano II quis assim se pronunciar:

– “Para que mais plenamente estivesse conforme a seu Filho, Senhor dos senhores (cf. Ap 19,16) e vencedor do pecado e da morte, Maria foi exaltada pelo Senhor como Rainha do universo” (Lumen Gentium, nº 59);

– “A Mãe de Jesus, tal como está nos céus já glorificada em corpo e alma, é a imagem e o começo da consumação da Igreja, que só estará plena no futuro. Assim também brilha aqui na Terra como sinal de esperança segura e de conforto para o povo de Deus em peregrinação, até que chegue o dia do Senhor (cf. 2Pd 3,10)” (Lumen Gentium, nº68).

Em nossos dias, existe a tendência a empalidecer o significado da glorificação corporal de Maria, mediante a tese segundo a qual a ressurreição de todo e qualquer indivíduo se dá logo após a morte; o caso de Maria seria um entre outros pares, sem relevo especial para a Virgem Maria.

Ora essa nova concepção supõe uma antropologia errônea; supõe, sim, que não haja distinção entre corpo material e alma espiritual no homem, de modo que, quando este morre, morre por completo, não ficando a alma imortal a sobreviver sem corpo. Por isso, tal premissa antropológica leva a concluir que a ressurreição deve ocorrer logo após a morte do indivíduo, para que não haja um hiato entre a respectiva morte a ressurreição.

Na verdade, porém, corpo e alma distinguem-se no homem, como se distinguem entre si matéria e espírito; o corpo está sujeito à dissolução no sepulcro, ao passo que a alma, sendo espiritual, é por si mesma dotada de imortalidade; ela subsiste sem corpo até o dia da segunda vinda de Cristo, quando se dará a ressurreição da carne e a recomposição do ser humano psicossomático.

A fim de evitar a propagação de falsas concepções, a Congregação para a Doutrina da Fé emitiu uma Instrução em 17 de maio de 1979, em que declara: “A Igreja, em conformidade com a Sagrada Escritura, espera a gloriosa manifestação do Nosso Senhor Jesus Cristo, que ela considera como distinta e diferida em relação àquela condição própria do homem, imediatamente após a morte. A Igreja, ao expor a sua doutrina sobre a sorte do homem após a morte, exclui qualquer explicação que tire o sentido à Assunção de Nossa Senhora naquilo que ela tem de único, ou seja, o fato de ser a glorificação corporal da Virgem Santíssima uma antecipação da glorificação que está destinada a todos os outros eleitos” (nºs 5 e 6);


Os fundamentos bíblicos para a ressurreição de todos os homens (executada a Virgem Santíssima) no fim dos tempos, são os seguintes:

– Jo 6,44: “Eu o ressuscitarei no último dia”, diz o Senhor;

– 1Cor 15,22s: “Como em Adão todos morrem, assim em Cristo todos serão vivificados. Cada qual, porém, na sua própria categoria: como primícias, Cristo; depois, os que pertencem a Cristo, por ocasião de sua vinda (parusia)”;

– 1Ts 4,16s: “Pois o Senhor mesmo, à voz do arcanjo e ao som da trombeta de Deus, descerá do céu. E então ressuscitarão, em primeiro lugar, os que morreram em Cristo; depois, nós, os vivos, que ainda estivermos em vida, seremos arrebatados, junto com eles, sobre as nuvens, ao encontro do Senhor, nos ares”.

Eis o que podemos dizer à guisa de aprofundamento da prerrogativa mariana da Assunção corporal. Em suma, ela decorre da Maternidade Divina, que é o privilégio básico de Maria Santíssima. Com efeito, porque devia ser Mãe de Deus feito homem, Maria foi preservada de todo pecado, até mesmo do pecado original (por aplicação antecipada dos méritos de Cristo). E, se foi isenta de todo pecado, Maria não podia ficar sob o império da morte no sepulcro, já que a morte foi introduzida no mundo pelo pecado (cf. Rm 5,12).

D. Estêvão Tavares Bettencourt, O.S.B